ALÍNGUA

Série do livro Língua

 

 

À procura do vento num jardim d’agosto

 

 

p/ Al Berto

 

 

 

a noite irrompe trazendo a urgência da injeção de palavras

 

preparo uma bacia com gélida água

 

         mergulho os pés

 

                                      até os tornozelos

 

entranha nos ossos passa pelo sexo atinge a cabeça

 

         vertiginosa

 

                   estranha dor

 

lâminas papéis

 

navalhas papéis

 

tesouras papéis

 

estiletes papéis

 

canivetes papéis

 

agulhas papéis

 

facas papéis

 

punhais papéis

 

esferográficas papéis

 

 

na iminência dos objectos que me cercam

 

         sinto o meu corpo

 

varo todas as noites

 

adentro

 

nas caves das cidades

 

procuro corpos que me deem sinais

 

olhares

 

encontro Tangerina sozinha à deriva a chorar

 

seu pulso está cortado

 

não consegue escrever

 

não consigo falar

 

some atrás de um poste

 

 

encontro Kaos injetando fonemas nas veias

 

mas com ele não posso dividir a mesma seringa

 

escrevo s diA

 

espelho-me

 

 

não me encontro em parte alguma das sílabas injetadas

 

hoje me resta morrer

 

necessito experimentar a eternidade de maneiras variadas

 

eis o rito suicidário da escrita

 

quando

 

 

 

 

Música: Verão, Vivaldi - As quatro estações, 1723.

.

Tiros do alto da escada

 

 

 

 

aos agregados do Recorte Urbano

 

 

 

Um jovem morre do alto da escada. O gordo, idoso, autor dos disparos, morreu de hipertensão. O velho dá lugar ao novo?, eu aos 29 já não sei o que dizer. As mortes têm termos: o gordo é vegetariano; a escada é, na verdade, rampa; e, o jovem era o gordo (escrevendo coloco os tiros entre parênteses).

 

 

 

Enquanto isso, no teatro da justiça...

 

 

 

                                                                                                                    p/ Enock (papai)

 

 

 

 travam-se, numa luta acirrada,

 o advogado e, do altar,  o promotor da justiça,

 a respeito de um mulhercídio – à paulada. 

 

 – então mostre o pau, doutor... mostre o pau!

 

 o advogado, do tablado, disse:

 – mas aqui, vossa excelência, aqui?!

 

      nesta hora são absolvidos

                     

                     réu

 

     júri jurado

 

                    e plateia

 

 

 

 

Sétimo selo, mar, posfácio e atores

 

 

dionisíaca para o autor deste livro 

 

 

 

 

 

a máscara mortífera

 

com tua esferográfica cortante se apresenta

 

 

 

um órgão me é afligido neste

 

                             corpo pouco – máscara vogante

 

corpo d’água ondeantes

 

foragido amouco exsolvido

 

em palavras ilegíveis à boca

 

tudo morre o seu nome noutro nome

 

         mão no sexo

 

                   a outra                         

 

                             escreve

 

                                       mar

 

 

 

(nos encontraremos e continuaremos nosso jogo)

 

 

 

Deux roussinoles

 

 

 

 

 

no azul do céu and sea

 

les oiseaux sang for me:

 

un corazón se parte al medio

 

na rosa la sangre del nightingale

 

 

 

no le noir da night et des corps

 

mes os trinaram por ti:

 

“the nightingale nighting

 

dans la rose anoitecendo gay

 

 

 

je t'aime

 

 Transcriação

 

 

 

 

 

no azul do seu em si

 

os pássaros cantaram para mim:

 

“meu coração se parte ao meio

 

na rosa o sangue do rouxinol”

 

 

 

no escuro da noite e dos corpos

 

meus ossos trinaram por ti:

 

“o rouxinol anoitecendo

 

dentro da rosa a noite sendo sol

 

 

 

mas aqui não há pássaros

 

Este díptico integra a antologia Terças Poéticas. Belo Hte: Fund. Clóvis Salgado; Suplemento Literário/MG, 2006.

El minero - autorretrato, Bolívia, 2007.

  • twitter
  • facebook

E-mail: gustavocguimaraes@hotmail.com                                                                                                           Site: coletivo PeDRa LeTRa